sexta-feira, 13 de junho de 2014

Renascer



Não quero esta flor,
desbotada de amargura,
sem viço, sem frescor,
no torpor da pedra escura.


Quero o sol e o vento,
o néctar na úmida roseira,
cheia de vicejo e alento,
nas entranhas da floreira.


Se já fui quase morrer,
misturada às heras do muro,
quero vida, quero viver.
Do escuro, renasço flor,
pois só flor eu quisera ser...













Nenhum comentário:

Postar um comentário