sexta-feira, 6 de junho de 2014

Por querer-te




Quero-te tanto e não posso,
nem posso dar-te o que queres.
Nada temos, nada é nosso,
o que te magoa me fere.

 
Florália sem nunca florir,
existindo sem nunca viver,
querendo o calado sentir,
querendo o que não pode ter.
 
 
Por querer-te este amor sem fim,
por querer-te me perco e disperso,
por querer-te me perco de mim,
soluçando este amor nos meus versos.

 
Soluçante sou tua poeta,
sou tua poeta errante...



Nenhum comentário:

Postar um comentário