terça-feira, 13 de setembro de 2011

Mania de Inventar

Desenho o seu rosto
na fina transparência da imaginação.
Que mal há se ele desaparece,
quando o busco na vontade oculta
e fugidia dos que inventam?
Não o quero na demorada rotina
que sorve dos meus versos
a poesia.
Mas aqui e ali, ora sim ora não,
nas verdades inventadas 
da minha fantasia...

Um comentário:

  1. Adorei seu blog. Descobri você através da Celinha. Grande beijo. Cassiano.

    ResponderExcluir